Nesses anos todos atuando como psicóloga tanto na clínica quanto no serviço público, percebo que ainda existe muita confusão e preconceito a respeito da psicoterapia. Muitas pessoas, mesmo sem ter consciência disso, têm uma fantasia de que o psicólogo é capaz de adivinhar segredos que não se quer revelar. Ou imaginam que a psicoterapia é algo descartável, facilmente substituível por outras ferramentas ou pessoas (amigos, igreja, coach etc). Ainda há os que acreditam que a psicoterapia é apenas para pessoas vistas como “loucas” ou desviantes do que a sociedade vê como norma.
Mas a realidade é muito diferente de tudo isso. A figura abaixo mostra bem. A psicoterapia é um encontro íntimo entre duas pessoas, no qual uma delas (o psicólogo) está completamente a serviço da outra, com todo o seu conhecimento adquirido por muitos anos de estudo e experiência e também com toda sua personalidade e história de vida.
A psicoterapia não é apenas um espaço de escuta acolhedora e sem julgamento, embora seja isso também. Mas além disso é um espaço de crescimento, de um olhar amoroso para si e uma oportunidade maravilhosa de despir-se das expectativas alheias e se ver e ser visto como se é.
Claro que isso pode parecer assustador. Mas também é recompensador. A psicoterapia pode proporcionar um encontro consigo mesmo, com um mediador ao seu lado cada passo do caminho.
Muitas pessoas sofrem e aguentam caladas seu sofrimento acreditando que faz parte da vida. Mas não precisaria ser assim necessariamente.
A psicoterapia está a serviço da vida, da inteireza, do bem estar. E pode ajudar quem estiver disposta a realizar essa empreitada de autoconhecimento e auto conexão.