Estou aqui hoje para falar de cuidado. Cuidado: conosco, com os que nos estão próximos.

Não sei se você sabe, embora seja difícil não ter visto algum post espalhado nas redes sociais, mas Setembro é o mês de prevenção ao suicídio. Parece um tema muito pesado para nossas conversas, mas te garanto que ele é muito necessário.

A morte é um grande tabu em nossa sociedade. Não queremos pensar nela, falar dela. Parece que, se fazemos isso, estamos atraindo má sorte ou pensamentos ruins. Mas a verdade é que a morte faz parte dos nossos dias assim como a vida. Não podemos viver plenamente nossa vida se não tivermos a coragem de encarar a morte. Não precisa ser apenas o destino final de cada um, mas também as pequenas mortes que nos acontecem todos os dias. As perdas (de emprego, de relacionamentos, de saúde etc), as mudanças (de residência, de amigos, de status social etc), o passado que fica pra trás, aquilo que já não nos serve ou não representa mais quem somos, mas que temos muita dificuldade em desapegar. Tudo isso são mortes. Elas acontecem aos milhares durante a nossa vida. Nem sempre nos damos conta disso.

É por isso mesmo que, em alguns momentos, parece que essa percepção nos pega desprevenidos. Mudamos tanto que não nos reconhecemos mais. Perdemos tanto que parece que nada sobrou. Morremos simbolicamente e parece que, após essas mortes, não há mais vida.

Todos estivemos nesse lugar em algum ou vários momentos da vida. Todos, sem exceção. Contudo, geralmente não falamos disso pra ninguém. Daí é que pode parecer um lugar solitário, uma vivência incomum. Estamos sozinhos e ninguém entende nossa dor, nossas perdas. Mas isso é só porque estamos acostumados a achar que só podemos falar de vitórias.

Por isso, falar de perdas é tão importante. Compartilhar com aquelas pessoas que confiamos e que sabemos que vão nos acolher. E acolher sem julgamentos as partilhas daqueles que sentem confiança de desabafar conosco.

Porque a morte é a outra dimensão da vida. A pessoa que vive hoje em você é fruto de perdas e mortes de valores e situações que não fazem mais sentido agora. Tudo que vive passou pela transformação da morte.

Para além das dores, perdas e crises do momento, há vida. Há muita vida aqui dentro e aí fora.

Se você está passando por um momento difícil, não se sinta sozinho. Essa experiência é parte da nossa caminhada enquanto humanos nesta Terra. Mas ela não precisa ser solitária. Converse com quem você ama, dê uma chance a essas pessoas de te ouvirem e te acolherem. Se estiver muito difícil ou você entender que precisa de ajuda profissional, não se acanhem em procura-la. Entre em contato comigo para agendar uma sessão e começar esse processamento de vivências difíceis para que você possa sentir novamente a vida pulsar. Você pode em contato com os seguintes serviços para atendimento gratuito:

 

  • CVV: Acolhimento para pessoas em crise 24 horas por dia, via fone ou chat.

https://www.cvv.org.br/

Fone: 188

  • Mapa saúde mental: Traz locais para atendimento público e gratuito na sua localidade

https://mapasaudemental.com.br/

 

  • Conexão afetiva: Psicólogos voluntários fazem atendimento de crise pelo whastapp com agendamento.

https://www.conexaoafetiva.com.br/

 

Cuidemos uns dos outros e de nós mesmos!

 

Compartilhe com o máximo de pessoas que você puder. Esse é um assunto delicado, mas que deve ser tratado com seriedade e acolhimento.

 

Amor e luz!